SELECTA 
O’ gente, vamos lá, vamos ver aquillo! 
E descendo tropegamente um dos trilhos de 
cabra do Observatorio com os remadores das re 
des, tomou uma canoa de voga que estava puxada 
na praia e, em multiplicadas remadas nervosas, 
chegaram á ponta, quando já o bote palpitava 
vencido, afundando até as toleteiras, vasio de 
passageiros. 
A um signal do Mestre, os homens lançaram-se 
ao mar e, suffocados, bufando, cuspindo grosso 
a agua salgada, iam jogando para dentro da canoa 
os náufragos, já desacordados, sob o commentario 
faceto do velho: 
— Escapáram de boa, escapáram !... 
Assim retornáram á praia, n’um total salva 
mento, com o casco virado a reboque. 
E quando, depois de dispertes, os passageiros 
rolavam já n’um carro em direcção a S. Domin 
gos, o Santos, do alto do Observatorio, cercado 
de povo, que eléctricamente viera saber, ver, se 
possivel fosse, o desastre, as novidades, bramava: 
— Não ha mais policia, nem vigilancia da Ca 
pitania do Porto! O que esses remadores do bote 
precisavam, era de uma bôa cadeia e muita chibata 
por cima d'aquelles lombos!.., 
A tarde fenecia melancholicamente, na sereni 
dade espiritual de um poente do Norte, coando- 
se por um vitral gigantesco da igreja. No alto, o 
azul, empallidecido e saudoso, parecia feito da 
sêda murcha e gloriosa de um antigo velario. 
Toda a linha recortada da costa começava a es 
bater-se docemente n’uma sombra azulada. O 
vento forte do lago extinguia-se, amainava pouco 
a pouco, em bafejos exhaustos. E o mar, o vasto 
mar poderoso e profundo, reluzia olympicamente, 
para além, n’uma pulverisação roxa e sanguínea 
do ocaso. 
Virgilio Vartea 
0==k 
COUSAS DE HYGIEME 
m 
|B& 
Como se deue arranjar o quarto da ereança 
Antigamen+e o arranjo do quarto das creanças era 
mais que summario. 
A mobilia velha que não servia mais para outras 
partes da casa era a que servia para o seu quarto. 
Mas n’este século que é muito propriamente chama 
do, o das creanças, chegou á comprehensão de todos 
que, sob o ponto de vista da educação esthetica e 
psychologica, esse quarto não deve ser o refugio dos 
moveis velhos. A importancia do ambiente tem gran 
de influencia no espirito ua ereança. Fila deve ter o 
seu quarto expressamente feito para cila e a sua mo 
bília deve ser agradavel. D’esse modo aprehende o 
orgulho de ser dona de uma casa e o respeito pelo 
que lhe pertence. O problema do arranjo de um 
quarto de ereança — sobretudo quando deve servir de 
quarto de dormir e de nursery — é tão difficil e im 
portante, como o de mobiliar uma sala de vizitas ou 
de jantar. 
O ponto principal é o local. E’ preferivel que seja 
voltado para o sul e para o occidente, pois, o quarto 
deve ser batido pelo sol. 
Determinado este ponto, o que nos deve preoccupar 
em seguida é o soalho, as paredes, o tecto. Para os 
dimas frios, um tapete de côres neutras deve cobrir 
o soalho. 
Mas no nosso clima isso não é necessário, ou, se 
quizerem, bastará uma esteira. 
Todo o madeiramento deve ser pintado de esmalte 
branco, é mais hygienico. 
Se fôr possivel, as paredes devem ser pintadas de 
modo a poderem ser lavadas com desinfectante, quan 
do necessário. A côr da parede também tem a sua 
importancia. N’um quarto batido pelo sol a côr verde 
ou azul ou creme carregado, será preferivel; o rosa 
é mais attrahente como fundo. 
E’ muito pratico ter um rodapé de madeira bas- 
SUPPLEMENTO 
tante alto ao longo das quatro paredes, variando-se a 
sua altura conforme o tamanho do quarto. Serve de 
protecção para a parede e mobilia, resguardando-as 
dos choques inevitáveis. Deve ser pintado com uma 
côr majs escura que a da parede. 
Se não for possivel a pintura, pode-se forrar satis 
factoriamente as paredes com simples papel. 
Mas evite-se o papel que ha, para esse fim, corn fi 
guras de creanças e as historias de fadas. O facto de 
ter sempre diante da vista a mesma cousa irrita a 
ereança, torna-a nervosa, excitada, retardando assim 
o seu desenvolvimento. Pois, por mais que ella goste 
d’essas historias, acabam aborrecendo-se e nem todos 
têm bastante fortuna para estar sempre mudando o 
papel á medida que a intelligenda da ereança se for 
desenvolvendo. 
As cortinas devem ser de simples cassa branca, para 
não escurecer o quarto. 
A mobilia não pode ser, naturalmente, muito fina, 
de modo a poder supportar os choques. A cama deve 
ser de madeira esmaltada de branco e o resto do mo 
biliario deve ser idêntico. A ereança precisando de 
muito espaço para mover-se, sobretudo nos dias de 
chuva, o seu quarto deve ter só a mobilia indispen 
sável. 
Se a ereança sente prazer em ter o seu dominio, 
fará esforços para tel-o arranjado e essa tendencia 
deve ser animada o rnais possivel. 
Prepare-se um canto onde elle possa ter todos os 
seus brinquedos. O vão da janella, sendo grande, 
pode servir para esse effeito, ou então um simplf 3 
biombo será indispensável para esconder a confusão 
que resultará desse estimulo do zelo infantil. 
Os quadros, nas paredes, devem ser gravuras de 
bons quadros e representar assumptos que as crean 
ças possam comprehender, sendo substituídos a me 
dida que se der o desenvolvimento da sua intelH- 
gencia. 
Dr. X
        
© 2007 - | IAI SPK

Note to user

Dear user,

In response to current developments in the web technology used by the Goobi viewer, the software no longer supports your browser.

Please use one of the following browsers to display this page correctly.

Thank you.