Full text: 1.1915,16.Jun.=Nr. 3 (1915000103)

SELECTA 
mais; mas tudo isso, por uma magia physica que 
passou, continha uma superabundancia de sensa 
ções, um mundo rico de incidentes, um universo 
de emoções variadas e de excitações inebriantes. 
Oh! bom tempo foi o d’esse século de ferro! 
A minha natureza ardente, enthusiasta e impe 
riosa, fez-me um logar distincto entre os outros 
rapazes e pouco a pouco, como era natural, deu- 
me um poderoso ascendente sobre todos os que 
não eram mais velhos que eu; sobre todos, exce 
pto sobre um. Este era um alumno, que sem ter 
commigo parentesco algum, tinha o mesmo nome 
de baptismo e o mesmo nome de familia (cir- 
cumstancia pouco notável em si, porque o meu 
nome, não obstante a nobreza da sua origem, era 
um d’estes appellidos vulgares, que parecem ter 
sido, desde tempo immemorial, por direito de 
prescripção, propriedade commum do povo). 
N’esfa narrativa tomei o nome de William Wil 
son (nome ficticio, que não está muito afastado 
do verdadeiro); só o meu homonymo, entre to 
dos os que, segundo a linguagem do collegio, 
compunham a nossa classe, ousava rivalisar com- 
inigo nos estudos das aulas, nos jogos e nas 
disputas do recreio, recusar fé absoluta ás minhas 
asserções e submissão completa á minha vontade; 
ern summa, contrariar a minha dictadura em to 
dos os casos possíveis. Se jamais houve no mundo 
despotismo supremo e sem restricção, é o que 
uma creança de genio exerce sobre as almas me 
nos enérgicas dos seus camaradas. 
A rebellião de William era para mim fonte pe 
renne de desgostos, tanto mais que, não obstante 
a bravata com que affectava tratal-o, a elle e ás 
suas pretenções, no fundo temia-o; não podia 
deixar de encarar a egualdade que mantinha tão 
facilmente commigo, como uma prova de verda 
deira superioridade, porque, pela minha parte, 
nao era sem esforços grandes e continuos que 
conseguia conservar-me á sua altura. Comtudo, 
essa egualdade, ou antes essa superioridade, não 
era reconhecida senão por mim; os outros rapa 
zes, com uma cegueira inexplicável, pareciam não 
dar por isso, 
Wilson parecia egualmente destituido da am 
bição que me impellia a dominar, e da energia 
que me dava auctoridade. Dir-se-ia que o único 
niovel da sua rivalidade era o desejo caprichoso 
de me contradizer, de me assustar, de me ator 
mentar, posto que muitas vezes não pudesse dei 
xar de notar com um sentimento confuso de 
espanto, de colera e de humilhação, que o meu 
rival misturava ás suas impertinentes contradi 
ções certos ares de affectuosidade o mais intem 
pestivos e o mais desagradaveis do mundo. Não 
podia explicar a mim proprio semelhante condu 
cta, senão suppondo-a o resultado de uma pre- 
sumpção insolente, permittindo-se o tom da supe 
rioridade e da protecção. 
A nossa homonymia, junto ao facto, puramente 
accidenta!, de termos entrado ao mesmo tempo 
no collegio, espalhára, entre os nossos condiscí 
pulos das classes superiores, a idéa de que eramos 
irmãos. Ordinariamente os rapazes grandes não 
indagam ccm muita exactidão da vida dos meno- 
íE5, Já disse que William não era, nem no gráo 
mais remoto, aparentado com minha familia. Mas 
se fossemos irmãos, teríamos sido gemeos, por 
que, depois de ter deixado a casa do doutor 
Bransby, soube por acaso que o meu homonymo 
nascera no dia 19 de janeiro de 1813 e (coinci 
dencia notável) esse dia é precisamente o do meu 
nascimento. 
Parece incrível que, não obstante a rivalidade 
de Wilson e o seu insupportavel espirito de con- 
tradicção, não tivéssemos chegado a odiar-nos 
absolutamente. E’ verdade que tínhamos todos 
os dias uma questão, na qual, concedendo-me 
publicamente a palma da victoria, Wilson não 
deixava de me fazer sentir, por qualquer forma, 
que era elle que a tinha merecido. Comtudo, um 
sentimento de orgulho da minha parte, e da sua 
uma verdadeira dignidade, mantinha-nos sempre 
nos termos da estricta conveniencia. Ao mesmo 
tempo, a quasi egualdade dos nossos caracteres 
havia despertado em mim um sentimento que, 
sem aquella situação hostil, teria progredido em 
amizade. Realmente é-me difficii definir os ver 
dadeiros sentimentos que nutria por elle. Era uma 
mistura variegada e heterogénea: animosidade 
petulante, que não chegava a ser odio; estima, 
respeito, muito receio e uma curiosidade immen- 
sa e inquieta. Para o moralista, é escusado acres 
centar que William e eu eramos camaradas inse 
paráveis. 
Em consequência d’essa ambiguidade de rela 
ções, todos os meus ataques contra elle (e, francos 
ou dissimulados, esses ataques eram numerosos) 
tinham mais a fórma da ironia e da brincadeira, 
que a de uma hostilidade séria e determinada. 
Mas os meus esforços n’este sentido não obtinham 
um grande triumpho, por mais engenhosamente 
que os planeasse; porque o meu homonymo ti 
nha no caracter muita d’essa austeridade placida 
e reservada que dá aos que a possuem, o privile 
gio de ferir os outros, sem mostrarem nunca o 
calcanhar de Achilles. Nunca pude achar n’elle 
senão um ponto vulnerável; e isso mesmo era 
um pormenor physico que, procedendo talvez de 
uma enfermidade de construcção, teria sido res 
peitado por qualquer antagonista menos encarni 
çado do que eu. O meu homonymo tinha uma 
fraqueza no apparelho vocal, que o impedia de 
levantar a voz acima de um murmurio muito 
baixo. Era d’essa imperfeição que eu tirava as 
minhas pequenas desforras. 
Wilson tinha differentes especies de represalias, 
mas havia particulai mente uma que me fazia ir 
aos ares. Não sei como chegou a perceber que 
semelhante futilidade produzia em mim tão gran 
de effeito. Mas desde que o descobriu, foi o seu, 
genero de tortura predilecto. 
O meu nome de familia, tão desengraçado e 
deselegante, e o meu nome proprio, tão trivial 
se não tão completamente plebeu, eram para mim 
e toda a vida tinham sido assumptos de grande 
desgosto. Ora quando, no mesmo dia da minha 
chegada, se apresentou no collegio um segundo 
William Wilson, senti-me logo disposto contra 
elle, unicamente por se chamar assim, porque 
seria causa de eu ouvir pronunciar o dobro das 
vezes essas syllabas que me torturavam os ouvi-
	        
© 2007 - | IAI SPK
Waiting...

Note to user

Dear user,

In response to current developments in the web technology used by the Goobi viewer, the software no longer supports your browser.

Please use one of the following browsers to display this page correctly.

Thank you.