Full text: 1.1915,18.Aug.=Nr. 12 (1915000112)

SELECTA 
selleiro. Deixava o, pedréz impaciente atrás do chi 
queiro, amarrado á cerca, e atravessava as moitas, 
cauteloso, de faca núa na mâo. A jan ella abria-se. 
“ e pulava para dentro da casa, E até de madru 
gada se ouvia o pedrez inquieto, saudoso da capoeira, 
com o frio do sereno, bater duramente com aspatas 
oufar de minuto a minuto, sacudindo os freios. 
Kapazes enciumados foram esperal-o. Vaqueiros 
audazes puzeram-Ihe tocaias. Mas ao apeiar-se do 
avalio e tirar a longa faca do cinto com uma eir- 
j ® s P e cçao cautelosa, respirando vagarosamente ao 
cnto arfar do peito membrudo, escondiam-se na 
espera, tenido enfrental-o. Seria amanha; e ama- 
ma adiavam para outro dia. 
uoite o Baptista do Olho d’Agua, numa re- 
oiuçao esporeada pelas lisonjas dos outros á sua 
reza, avançou por trás do Estevam, para apunha- 
-o nas cruzes. Era um golpe que nao falhava, 
vai h'° bel11 ' MaS Um P ° íaIseou numa arieira res- 
,, a la ' Perdeu o prumo e pisou com torça um 
gamo secco. Ao ruido o Estevam voltou-se, vio o 
utro. Avançou para elle. A luta foi breve e surda. 
e 0 oudro dia o Baptista andava de braço na tipoia: 
c ™° lhe P er guntavam o que fôra, respondia 
¡.AÍ maos modos — que cahira do cavallo, vaque 
ando na catinga. 
Ninguém mais se atreveu a tirar uma desforra, 
.tanto muitos nao dormiam e rolavam nas redes 
arn ° can t ar > com visões de ciume e anceios 
morosos que os torturavam terrivelmente, 
uenos dormia Luiza. Levava o dia a pensar em 
contral-o. Enchia a casa pequena e clara do rumor 
olh 6 i daS canti g as - Outras vezes ficava á janella, 
De ando a estrada, a sorrir e a scismar. O seu tem- 
de mest N a c°m as tendencias sensuaes 
Qu ra ? as lascivas não se fartava do homem 
don Cada Vez 0 des ?í ava mais - Se elle a aban- 
t e . asse >. sentia que havia de morrer, porque não 
.na mais a alimental-a a embriaguez dos beijos 
Tod ave * s 6 aS tucuras dos abraços vehementes. 
0 , a . sua carne estuava de desejos, toda a sua 
falencia sensual anceiava de gozo. 
Pan ° , sentir ° seu P asso na areia do caminho ou as 
tod lcadas discretas nas umburanas da janella, vibrava 
do a - Ootria a abril-a e ficava muda, braços pendi- 
Poh na llvidez do luar q ue se espraiava pelo quarto 
m fazendo o perfume dos vastos campos ador- 
e c,dos - Depois era um anniquilamento da vontade 
d Çm apagamento completo dos sentidos nos braços 
ah=j Uma sensualidade toda feita de languidez, de 
andono e de preguiça. 
ia C01 ? a P rimeira claridade triste da manha, elle 
ah o embora ’ Pi cav a esquecida á janella. Os passari 
as d cantavam nas biqueiras dos casaes e nas moi- 
tron i n SaS ' Long ' e ’ nas beb idas, juritys gemiam. O 
Pare • m pedrez a Pagava-se com a distancia. Mas 
oiiv'H a " ' qUe elIe contlnuava ainda. Applicava o 
as r!' j'‘ Somente a levada cantava lentamente entre 
^Pedras... 
dg d manha tinha olheiras roxas. Queixava-se de 
ne ® cabeça. A sua paixao já nao conhecia limites 
a ] t emia cousa alguma. O seu rosto apregoava 
e j as p ua s noites de amor. O seu corpo quebrado 
o gmdo contava os segredos de sua alcova. Todo 
ipco Und ° ^ a ^ ava de ^ a na ribeira. Sabia e pouco se 
mmodava. Tinham-se desvanecido todos os seus 
receios de virgem e o seu pudor de donzella. Agora, 
era ella quem ,procurava Estevam, quem insistia 
para que fosse a casa mais amiúdo. Por vezes tinha 
vontade de bradar ás outras, com orgulho: é meu I 
e meu! e meu! Até uma vez arrancára-o numa 
contradansa, em pleno terreiro do Virgolino da 
Venda, dos braços finos duma filha do João Mulato. 
Ao passar pela porta das Malaquias, as solteiro 
nas resmungavam com uma pontinha de inveja: 
Que sem vergonha ! Que devassa! 
O Selleiro, que não ia a festas nem a feiras e com 
poucos conversava, de nada sabia. Ao pai do Este 
vam, porém, uma das Malaquias fôra de proposito 
contar tudo, pedindo segredo pela delação. Te 
mendo um inclinação forte do filho pela cabocla, o 
velho fazendeiro enviou-o para a capital. 
Para o Estevam a Luiza era sómente uma mulher 
que se goza e que se deixa, nada mais e nada me 
nos. Ja andava ate enfadado delia. Foi alegre que 
montou a cavallo e mais alegre que entrou no trem,, 
na estação de Agua Verde. Ora, Fortaleza era sem 
pre melhor que a Pedra Aguda. 
A Luiza entristeceu. Murcharam-lhe as cores da 
face e os traços physionomicos descahiram numa 
expressão triste de soffrimento. Era seu martyrio dia 
e noite a recordação constante da felicidade pas 
sada, Queria cantar, queria trabalhar. Vinha-lhe um 
no á garganta, o seu olhar parava sem brilho, quasi 
morto, a evocar as visões esmaecidas no cerebro- 
Parecia que se voltava para dentro naquelle esforço 
paciente de memoria. 
E as lembranças vinham uma a uma. Era o baile 
do Mathias Florindo, noite de S. João, no Criancó,. 
Elle a olhava, encostado á hombreira da porta, com. 
um olhar tão negro e persistente que lhe acordava 
na alma uns desejos que desconhecia e uns anceios 
que nunca sentira. Depois foram as valsas louca 
mente revoluteadas, ao som gritante das harmôni 
cas, quando elle a apertava com tanta força, que 
sentira —lembrava-se bem — um dos botões de 
osso do seu casaco de brim claro machucar-lhe o 
seio. Tão intensa era a força de rememorar que 
levava súbito a mão ao peito na completa illusão de 
ainda sentir aquella pressão dolorosa... 
Vinha-lhe uma grande saudade e a insupportavel 
impaciencia de não poder reviver os dias idos. De 
satava bruscamente a chorar alto, forte, de borco na 
rede, o corpo sacudido em estremeções. O pai ac- 
corria. Encontrava-a desgrenhada, olhos vermelhos- 
Pretextava dores súbitas lancinantes, do fígado. Elle 
vexava-se, animava-a, dava-lhe tisanas de jurubeba 
amarga, que ella, bebia de um trago, numa careta, 
para contental-o. 
Muita vez o Manduca Catolé vinha tomar o seu 
cafe na latada do Selleiro, com o proposito firme 
de contar ao velho amigo tudo o que sabia. Traziam- 
lhe a chicara grossa, de louça esmaltada, as mãos 
transparentes e finas de Luiza. Os seus olhos em- 
moldurados em roxo pousavam-se nelle, com tris- 
ieza. O velho Manduca baixava a cabeça. Depois 
que ella sahia, o Selleiro dizia na sua voz resignada 
e suave, cheio de confiança, de socego e de fé: 
- Não sei o que ella tem, compadre. Queixa-se 
do fígado. De vez e quando dá-lhe uma dôr. Chora 
que faz do. Ja tem bebido uma porção de jurubeba. 
E o mesmo que nada. A doença quando entra na.
	        
© 2007 - | IAI SPK
Waiting...

Note to user

Dear user,

In response to current developments in the web technology used by the Goobi viewer, the software no longer supports your browser.

Please use one of the following browsers to display this page correctly.

Thank you.